Em destaque

O futuro é virtual, o problema é real

Dois historiadores da mesma geração, o inglês Peter Burke, de 73 anos, e o americano Robert Darnton, de 71 anos, discutiram sobre o futuro do livro na era digital, antes que o último participasse de um debate com um historiador mais novo, o inglês John Makinson, de 54 anos, CEO da Penguin Books,...

Leia mais

A origem nobre do livro didático

Por bookess | Postado em Novidades | Em 14-07-2010

Tags:, , , , , ,

0

Os livros didáticos surgiram na Grécia antiga. Platão defendia a utilização do que havia de melhor na cultura grega. No Brasil, eles surgiram durante o governo Vargas. Daquela época até os dias atuais, muitas críticas e elogios foram publicados acerca desse importante instrumento de trabalho. Professores e alunos, avaliadores e críticos nem sempre se dão conta de que eles são o resultado da longa história da escola e do ensino. Não há como discordar.

Acho que os professores não podem se tornar escravos dos livros, como se eles fossem o único recurso, a verdade final, porque não são, porém não devem esquecê-los. Os mestres têm autonomia e são vários os instrumentos que podem tornar uma aula mais rica. Deve-se ter em mente que muitos livros didáticos apresentam erros, outros são imbuídos de preconceitos, mas há vários deles bem acabados. Em tempo de escolhas, é preciso ler com cuidado, optar com critério.

Há muito o poder público avalia os livros e informa o resultado da avaliação. Muitos especialistas são envolvidos nesse processo. Mas o tempo de escolha é curto demais para os professores, especialmente os da rede pública, que às vezes trabalham em três turnos. Prescindir de algo útil seria o caos.

Fonte: http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdNoticia=145152

Deixe seu comentário