Em destaque

BOOKESS É COMPRADA PELO GRUPO LIVREIRO E EDITORIAL SBS

Celso Fonseca é agora o sócio-diretor da Bookess | © Leonor Calasans PUBLISHNEWS, LEONARDO NETO, 13/09/2016 Fundada em 2009, a Bookess foi pioneira na autopublicação no Brasil. A plataforma – que hoje reúne 22 mil títulos disponíveis para vendas tanto no digital quanto no impresso, via...

Leia mais

Suporte a Leitores Eletrônicos

Por bookess | Postado em Dicas | em 30-10-2009

Tags:, , , , , ,

0

O mundo vem mudando muito rapidamente. Hábitos milenares, como escrever no papel, vem perdendo a cada dia o espaço para mídias digitais. E, se a maneira de se gravar vem evoluindo, a maneira de se reproduzir vem acompanhando.

A Bookess veio para ajudar a acompanhar esse movimento, tanto para gravar, quando para reproduzir. Grandes empresas vêm investindo em leitores digitais capazes de ler documentos com o conforto e comodidade de estar lendo em um papel.

A Bookess orgulhosamente anuncia que, a partir de hoje, é um dos primeiros sites do mundo compatível com os leitores de livros mais utilizados do mercado: Amazon Kindle e Sony Reader.

Para ler qualquer livro da Bookess diretamente do seu leitor, basta entrar na página do respectivo livro, escolher o seu leitor e clicar em download. Conecte seu leitor ao computador, selecione o disco virtual criado pelo mesmo e salve o arquivo. Pronto, seu livro já pode ser lido através do seu dispositivo!

Já estamos ampliando nosso suporte para a maioria dos outros leitores, e deverá ser disponibilizado progressivamente nas próximas semanas.

Se você tem alguma dúvida sobre o que é um Leitor Digital, ou quer saber onde comprar o seu, aconselhamos a leitura desse ótimo guia de leitores digitais publicado no site da Globo.

Os grandes autores sobrevivem para a eternidade!

Por bookess | Postado em Novidades | em 27-10-2009

Tags:, , , , , ,

34

“Assim como é de cedo que se torce o pepino, também é trabalhando a criança que se consegue boa safra de adultos”. Monteiro Lobato, nosso maior escritor infantil, estava certo.

Em um espaço tão controverso como a internet, até onde cabe nossa atuação, como escritores e, portanto, responsáveis por “catalisar” e registrar o nosso momento com as histórias que servirão para entreter e formar a nossa e as futuras gerações?

Estamos vivendo um momento conturbado com um mundo de desafios que nosso país tem enfrentado para “deslanchar” como uma nação exportadora de capital intelectual, o que nós, produtores de conhecimento tanto ansiamos. Portanto, para nosso esforço valer a pena, para termos leitores, é necessário, antes de mais nada, ter brasileiros lendo. “As invenções são, sobretudo, o resultado de um trabalho teimoso.” já dizia Santos Dumont. Se a teimosia e o trabalho levaram um homem a nos fazer voar,  podem fazer um escritor “criar” leitores.

Temos diversos educadores no site, como Maria Hilda e Cristiana Passinato, pessoas que, através dos livros ou das aulas, ajudam a construir um povo mais instruído. Temos inclusive nosso querido Douglas Turolli, autor de Geena e outros, ajudando várias pessoas a viver nesse novo mundo tecnológico.

O que queremos dizer com isso é: ser escritor não é somente colocar palavras no papel. Não se trata de coesão textual, e sim de uma responsabilidade para com o momento em que vive, para a sociedade. Autores superficiais podem fazer sucesso momentâneo, mas somente aqueles que se preocupam com a sociedade em que vivem, dissecando-a ou buscando integrar valores nela são os que sobrevivem para a eternidade.

O Futuro do “Suspense”

Por bookess | Postado em Novidades | em 20-10-2009

Tags:, , , , , ,

33

Livro virar filme nunca foi novidade. Desde que o cinema existe, diversos roteiristas têm se inspirado em obras-primas como o Iluminado, Poderoso Chefão, os Três Mosqueteiros e diversos outros para desenvolver a 7ª arte. Mas uma “moda” cada vez mais freqüente é o lançamento de seriados baseados em livros.

Dexter, um dos seriados, considerado uma das melhores tramas já inventadas ultimamente, tem sua base em “Darkly Dreaming Dexter”, um livro pouco conhecido.  Um outro exemplo é o sucesso do The Vampire Diares, lançado em junho deste ano.  L. J. Smith, autora dos livros que levaram à série, já era reconhecida por escrever sobre vampiros em histórias adolescentes, na linha de Crepúsculo de Stephenie Meyer. A grande novidade é que, pela primeira vez livro, filme e seriado que abordam os vampiros da mesma forma possuem uma popularidade parecida.

Nada mais de seres das trevas sombrios como Drácula ou Lestat preenchendo páginas sangrentas, nem justiceiros como Angel e Buffy aparecendo na TV depois do Globo Repórter. Parece que mesmo séries “modernas” como True Bloods e Moonlights, mais para o thriller típico dos morcegões não tem conseguido entrar muito na fama. É a era dos seres das trevas adolescentes, bonzinhos, heróis de romances…

De fato os tempos mudaram, do suspense de séculos ao romance moderno, será que é esse o destino dos escritores de thrillers sobrenaturais? Com a palavra os autores da Bookess que adotam vampiros como tema, por exemplo Emília Kesheh e seus Vampiros e Lobisomens.