Em destaque

Encontrando tempo para escrever e criar

Eu sei como é, encontrar uma brecha de tempo para tentar escrever um pouco… É tão difícil! Não, na verdade não entendo isso. Você tem bastante tempo para escrever. Bastante! Tudo bem, espere um pouco. Você está um pouco bravo comigo por não lhe entender completamente, mas aguente um pouco,...

Leia mais

Como organizar suas histórias — Parte 1

Por bookess | Postado em Dicas | em 31-03-2014

5

blog1

“Ao longo do tempo em que passei — virtualmente — com vários escritores iniciantes/amadores, eu percebi que, além de poucos serem escritores já realmente publicados, todos tinham uma coisa em comum: a falta de organização com seus projetos. Não apenas em uma coisa em relação a ele, mas várias. Tanto na organização, quanto na dificuldade com certos detalhes. E principalmente, com o foco: toda aquela questão de se focar unicamente em uma história, quando se têm várias esperando sua vez para serem escritas, e ainda enchendo o saco do escritor, matutando na mente do mesmo.

Inicialmente, eu estranhei isso — pensei que todos eram como eu, que marcavam em um resumo até cada vírgula do texto, fazia um planejamento completo, e tudo mais. Eu sou assim, e isso torna minha vida como escritora muito fácil. Não sei se é porque eu tenho essa característica de organização extrema, que provém do meu signo de Virgem, ou… Sei lá por qualquer outro motivo.

Muita gente me perguntou como eu conseguia “terminar um livro” — porque muitos dos meus colegas não terminaram seus livros, justamente por não conseguirem se focar unicamente naquele projeto —, e eu sempre dava minha resposta, o que eu fazia, como eu fazia. No final, tudo o que envolve, é o foco. E planejamento.

O objetivo dessa postagem é ajudar os escritores que sentem a necessidade de organizar melhor suas ideias e seus arquivos de seus projetos. As dicas estão separadas em três partes, sendo a primeira sobre a história e personagem, a segunda sobre planejamento e foco, e a terceira eu coloco duas ideias que podem ajudar a simplificar o seu trabalho mais para frente.

Então, vamos lá.

SUA HISTÓRIA

Você já tem seu projeto em mãos. Já sabe o que quer fazer, que rumo a história vai tomar e até já decidiu o final. Mas não pode simplesmente começar assim! Você precisa fazer um questionário sobre tudo. Coloque todos os detalhes, para não se perder ou se contradizer futuramente na sua história.

Por exemplo: se ela é ficção, e se passa em um mundo diferente, você precisa fazer um questionário sobre o mundo.

Qual o nome dele? Como ele é? Existe alguma forma de divisão de regiões, países, etc.? Qual a raça predominante? Qual a idade do mundo? Qual o universo tecnológico dele — inexistente, steampunk, futurista? Há algum tipo de transporte de um mundo para outro? Se sim, qual? Qual a história mais importante do seu mundo?

Esse questionário é interessante porque te ajuda a organizar melhor as ideias sobre seu mundo. Isso pode se aplicar tanto para cidades fictícias, países e outros tipos de regiões, também. Faça várias perguntas a si mesmo a respeito do mundo que você criou. Crie seu mundo nos mínimos detalhes possíveis, mesmo que você acabe não os usando. Mas faça, porque vai por mim: facilita muito. E conforme você for escrevendo sua história, vá adicionando mais detalhes sobre o mundo, que vão surgindo conforme você escreve. Faça fichas, questionários, até mesmo um mapa se precisar. Mas não deixe de se organizar, você pode se atrapalhar muito lá pra frente.

O questionário não se aplica apenas a mundos, mas sim aos personagens. O tópico que vem logo a seguir.

PERSONAGENS

Os personagens dão vida a sua história, e para que eles se encaixem perfeitamente, eles precisam ter nada mais, nada menos, do que vida. Criar um personagem não é só dar nome e característica. Você precisa dar vida a ele, como se fosse um filho seu. Então, faça uma ficha sobre ele, como se o estivesse matriculando em um lugar, ou até mesmo contando a história dele.

Qual o nome do seu personagem? Quantos anos ele tem? Como ele é fisicamente? Quais suas características? Seus defeitos e qualidades? Sua história? Seu signo? Sua personalidade? Qual sua altura? Ele tem algum carinho ou desafeto por alguém? Tem alguma fobia, algum trauma?

Simplesmente dê vida ao seu personagem. Escreva sobre ele como se fosse alguém que você conheça perfeitamente bem. Os personagens mais perfeitos são aqueles que também são imperfeitos. Os mais próximos de pessoas que realmente existem. Não tenha medo de colocar defeitos. Não tenha medo de tornar seu personagem odiado ou amado demais. Quanto mais personalidade você inserir nele, mais seus leitores — ou até mesmo você — irão se identificar com ele e até mesmo gostar ou desgostar muito dele. E, o mais importante, haverá uma conexão entre vocês, sendo boa ou ruim.

Uma dica sobre as personalidades: procure nos signos — você acreditando ou não, ajuda de alguma forma. Se seu personagem é do signo de escorpião, procure colocar a personalidade daquele signo nele. Mas é claro, não escolha os signos a esmo em um personagem. Por exemplo: o protagonista bonzinho que não machuca nem uma mosca ter uma personalidade de um personagem que deveria ser o vilão. Procure combinar os personagens com suas personalidades. É claro que todos devem ter seus defeitos também, mas procure combinar.

Fazendo isso, fica mais fácil, não acha? Experimente e depois conte para nós como foi!

Até a próxima!

Por Gabriella Regina.”

Desafio do Bloqueio Criativo

Por bookess | Postado em Dicas | em 21-03-2014

0

blog2

“Há poucos dias eu fiz um post sobre como buscar inspiração na hora de escrever. E hoje enquanto estava navegando pela internet encontrei um desafio no tumblr para quem está com bloqueio de escritor.

De cara o título me chamou a atenção, porque faz um tempo queria voltar a escrever minhas histórias — mas é claro que estou enrolando até agora. Enfim, decidi dar uma chance a esse desafio e resolvi postar aqui a versão traduzida para quem se interessar — vou deixar o link no final (o desafio está em inglês).

Desafio do Bloqueio Criativo

Introdução:

Antes de começar, isso não é um desafio para “melhorar as suas habilidades”. Está mais para um desafio “comece a escrever de novo”. O desafio que criei é relativamente simples, mas quando se está com bloqueio criativo se torna difícil para o escritor criar uma linha sequer. Então não leia o desafio e deixe para lá pensando que está tudo “muito fácil” porque a verdade é que você nem consiga escrever 10 linhas de cada coisa.

Coisas para lembrar:

  • Se você é uma pessoa que vem tendo dificuldade para escrever ultimamente, então, por favor não compare sua escrita atual (que você fará nesse desafio) com seus poemas passados, por exemplo. Isso só servirá para te deixar triste, muita gente desiste de escrever por causa disso. Não cometa esse erro.
  • Dê um tempo para si mesmo. Não se preocupe com a gramática, a estrutura, a rima ou a harmonia. Apenas escreva. Você sempre poderá revisar depois. Sempre se lembre disso: quando for escrever, apenas escreva e não se preocupe com mais nada. Deixe que as palavras lhe guiem sem interrupção.
  • Guarde os poemas/os escritos. Não importa o quão ruim estejam, não delete nada que escrever para este desafio.
  • Não se preocupe com o ato contínuo. Não faça deste desafio uma obrigação de escrever todo santo dia. Esse desafio foi criado para facilitar as coisas para você e não estressá-lo ainda mais. Mas tenha a certeza de fazer todos os desafios.
  • Sempre que for escrever e não só para este desafio, tenha a certeza de não ter mais nada em mente. Você precisa estar relaxado para que consiga concentrar seus pensamentos.

O Desafio:

Dia 01: Pegue um pedaço de papel e uma caneta. Escreva qualquer coisa, tudo o que passar pela sua mente.

Dia 02: Escreva 25 das suas palavras favoritas. Tente fazer um poema simples com elas, use a maior quantidade de palavras possível.

Dia 03: Escreva um poema ou um texto sobre como foi seu dia hoje ou sobre como você pretende passar seu dia hoje.

Dia 04: Leia um dos poemas de seu autor favorito e tente explicá-lo em um texto com as suas próprias palavras.

Dia 05: Escreva sobre seu melhor amigo ou amiga e como você se sente sobre ele/ela (envie para ele/ela depois, aposto que irá gostar).

Dia 06: Leia o seu desafio 01 e tente fazer um poema ou um texto a partir dele.

Dia 07: Relaxe. Esse é um dia para descansar. Tome um copo de sua bebida favorita e leia os melhores trabalhos de seus autores favoritos.

Dia 08: Escolha algo que você tenha lido no dia anterior e escreva uma continuação para isso.

Dia 09: Escreva uma carta para sua mãe, seu pai ou os dois. Demonstre um pouco de amor.

Dia 10: Escreva um poema sobre você. Como você se sente consigo mesmo? Deixe seus sentimentos lhe guiarem.

Dia 11: Ande até o parque mais próximo ou até o final da sua rua. Observe as coisas à sua volta. Sente em algum lugar e comece a escrever sobre o que você está vendo ou viu.

Dia 12: Leia o que escreveu no dia anterior e tente fazer uma pequena história a partir daquilo. Adicione personagens, nomes, coisas. Faça o que achar melhor. Não se preocupe se não fizer o menor sentido.

Dia 13: Lembra-se da última vez que você riu muito? Escreva sobre isso. Adicione alguns detalhes e deixe engraçado.

Dia 14: Mais um dia de descanso. Apenas faça o que quiser, esqueça tudo sobre a escrita por hoje.

Dia 15: Escolha um de seus poemas (ou textos) e reescreva-o com um clima diferente. Se você o fez alegre, transforme-o em triste. Se o fez triste, transforme-o em alegre.

Dia 16: Escreva sobre algo que está te incomodando. Faça das palavras a sua melhor amiga e compartilhe seus sentimentos com elas (não se preocupe se as páginas ficarem molhadas pelas lágrimas, essas manchas vão apenas fazer com que você se sinta melhor).

Dia 17: Escreva sobre aquele seu único desejo impossível. Descreva-o em detalhes bem vívidos.

Dia 18: Escreva sobre uma pessoa do seu passado que você sente muita falta, mas que não é mais possível estar com ela no momento.

Dia 19: Escreva sobre seu futuro/a marido/esposa. Como você deseja que ele/ela seja? — Caso já seja casado/a, escreva sobre ele/a. Tente ver o lado positivo dele/a e faça com que se sinta bem consigo mesmo.

Dia 20: Escreva sobre como está a sua vida até agora. Está completamente bagunçada? Está do jeito que você queria? Para onde você acha que ela está indo? (Esse não é o mesmo desafio que o Dia 10. Este é sobre a sua vida e não sobre você).

Dia 21: Dia de descanso novamente. Leia os textos ou poemas que fez no dia anterior, e tente ver se precisam de melhorias. Reescreva se quiser.

Dia 22: Saia e ajude alguém. Faça essa pessoa sorrir. Escreva sobre como se sentiu sabendo que ele/a sorriu por causa de você (não se preocupe se chorar).

Dia 23: Escreva sobre a pessoa que mais te inspira. Como ela faz isso? Escreva qualquer coisa sobre ela.

Dia 24: Escreva sobre o que você mais tem medo no mundo. Deixe que as palavras reflitam esse medo.

Dia 25: Escreva sobre todas as pequenas coisas que te fazem feliz. Não importa o quê, se comer um doce te fizer feliz, escreva sobre isso.

Dia 26: Escreva sobre o rancor que estiver sentindo por alguém. Faça com que isso acabe hoje com as suas palavras. Libere seu coração desse fardo.

Dia 27: Escreva sobre a sua infância e sobre o quanto você era bobo. Quais eram os seus sonhos? Quem eram seus amigos? Tem que parecer que é uma redação feita por uma própria criança.

Dia 28: Escreva sobre como você quer que as pessoas se lembrem de você depois que morrer.

Dia 29: Escreva sobre este desafio. Se você o odiou e não te ajudou em nada, deixe que a raiva te guie. Se gostou bastante, escreva sobre como ele te auxiliou a conectar os pontos.

Dia 30: Dia do descanso. É o último dia. Apenas releia tudo o que escreveu durante esse desafio. Se quiser editar algum, sinta-se à vontade. Fique feliz que conseguiu escrever tudo isso. Celebre. Dê um presente a si mesmo por isso — nem que seja uma bala. Sinta-se bem com o seu trabalho e agradeça por ter o dom das palavras.

 

Eu espero que isso ajude.

E esse foi o desafio, gente. Em alguns dias específicos tá escrito poema, mas se você não se sente bem escrevendo isso troque para texto, conto, crônica ou o que quiser. Não precisa seguir à risca, apenas faça do jeito que achar melhor. Uma coisa que achei bem legal que foi dita lá em cima é não se prender a esse negócio de fazer todo dia. Faça quando tiver vontade e o mais importante quando tiver relaxado.

E lembre-se que a melhor maneira de quebrar um bloqueio criativo é escrevendo.

Boa escrita para todos vocês!”

Por Ana Luiza Massena.

Fonte: Quero Mais Pizza.

Desafio em Inglês: Clique Aqui.

Como Buscar Inspiração

Por bookess | Postado em Dicas | em 14-03-2014

1

blog3

“Relembrando os velhos tempos em que eu gostava muito de escrever e o fazia sempre que podia, decidi criar essa pequena série de posts com algumas dicas do que aprendi nesse meio tempo. Não que eu não escreva hoje em dia — ainda tento sempre que posso, sempre que tenho um tempinho.

Mas na época que eu mais escrevia e mais tinha contato com esse mundo e que me apresentou muita gente bacana eu sempre via esse problema pairando no ar: a tal inspiração.

Eu mesma já sofri disso. E parece impossível quando nada te dá aquela vontade de escrever, te dá aquela empolgação e então você acaba encarando o papel em branco sem saber o que fazer.

Sim, eu já passei por isso.

Mas com o passar do tempo aprendi alguns truques na hora de fazer com que saia aquilo que você tanto quer.

1. Leia muito.

Essa talvez seja a dica mais óbvia e a mais importante de tudo no processo de criação, ou nesse caso de pré-criação. Leia de tudo. Leia livros, jornais, revistas, sites, outdoors, propagandas de ônibus… Tudo. E não é só ler que ajuda, veja filme e séries e documentários e vá a exposições de arte, museus e etc. Tudo isso estimula seu cérebro, para começar você adquire mais cultura fazendo isso, depois você pode ter uma ideia quando menos esperar estimulada por algo assim. Uma vez eu fui inspirada por uma série de comédia a criar uma história magnífica de ficção científica — e as duas coisas nem estavam correlacionadas, a série era How I Met Your Mother, por exemplo.

2. Faça o que você gosta.

Quando você faz algo que te traz prazer, está mais propenso a ter ideias boas e diferentes. Com o cérebro tranquilo e relaxado fica muito mais fácil de imaginar um título para a sua história, ou um clímax que vá chamar a atenção. Abuse dos seus hobbys, se você gosta de desenhar. Desenhe bastante, desenhe coisas aleatórias que tenham relação com a história ou tente desenhar os personagens que você imaginou na sua cabeça e certas situações soltas. Se você gosta de fotografia, saia em busca de fotos na rua. Tire fotografias de pessoas, estude suas expressões e imagine-as nos seus personagens. Tire fotos de lugares e visualize se a história poderia se passar ali. Se você gosta de música, imagine o tema perfeito para a sua história, crie uma trilha sonora para ela.

3. Ouça música.

Outra dica bastante óbvia, mas muitos escritores têm problemas na hora de escrever e procuram ouvir música para se sentirem inspirados. Mas tome cuidado: às vezes o estilo de música que você mais gosta pode não ser o indicado para te fazer relaxar. Falo por experiência própria: eu gosto muito de Rock e Jazz, mas na hora de ouvir isso enquanto estou me preparando para escrever não dá certo. Eu acabo me concentrando mais na letra da música do que no que eu tenho que fazer. Então eu aprendi que o melhor tipo de estilo musical para mim enquanto digito é a música clássica. Ritmos calmos ou agitados dependendo da cena em questão me trazem um foco muito maior. Então eu sugiro que pesquise bastante. Abra o Word e tente escrever a mesma cena várias vezes usando vários estilos de músicas diferentes. A que cena, que em sua opinião, for a melhor bem escrita vai ser com o estilo musical que mais te estimula. Além disso, há alguns anos eu encontrei um site muito legal chamado Focus@will. Criado não só para escritores, mas para qualquer pessoa que precise melhorar seu foco em troca de aumentar sua produção. De maneira que você faça tudo mais concentrado e termine mais rápido e mais bem feito. Esse site reúne músicas que estimulam justamente essa parte do seu cérebro, inclusive tem toda uma explicação científica por trás disso que o próprio site oferece — porém é em inglês, mas não se preocupe se você quer apenas usar as músicas não é preciso ter um conhecimento extenso do idioma. Eles também oferecem uma playlist variada, você decide o que quer ouvir. É um projeto bem interessante que funciona de verdade, já tentei algumas vezes e deu muito certo. Clique aqui para ser direcionado ao site do Focus@will.

4. Procure programas ou lugares que te isolem completamente do mundo exterior.

Se você usa cadernos para escrever, vá a um lugar isolado onde você possa ficar sozinho sem que ninguém perceba. Seja naquele local da escola que ninguém vai na hora do recreio, ou num parque para apreciar a natureza, uma mesa numa cafeteria ou até mesmo trancado em seu quarto ou num escritório. Procure lugares com o menos de distração possível para que você realmente foque no que tem que fazer. Se você é como eu e usa o computador para digitar seus trabalhos então vou deixar algumas dicas para aumentar sua produção na hora de escrever. Caso use o Word, deixe apenas ele aberto. Nada de outras abas, a menos que elas sejam relacionadas aos seus livros de alguma forma. Fora isso, nada de facebook, tumblr, blog, twitter. Desligue-se de tudo isso. Outra ideia legal é criar situações que te acalmam, por exemplo, barulhos de chuva agradam algumas pessoas e você pode conseguir esse efeito entrando no rainymood.com/. Ou barulho de lareira, existem vários vídeos no youtube que reproduzem esses sons. Além disso, existe um programa específico que foi criado para nós, escritores que mesmo com tudo fechado, sem música, sem som ainda assim consegue se “desfocar” do word: o ZenWriter  é o programa queridinho para isso. Para começar ele fica em tela cheia, ou seja, realmente te isola do resto do mundo virtual. Depois ele tem opções de plano de fundo calmantes e ainda uma trilha sonora ótima na hora de se concentrar para escrever. Clique aqui para baixar o ZenWriter.

5. Aproveite suas emoções genuinamente sinceras.

Utilize de você mesmo para buscar a inspiração que precisa. Quando estiver triste, feliz, com raiva, decepcionado… Escreva sobre isso. Acredite quando sentimos algo intensamente nossas palavras automaticamente se tornam muito mais verdadeiras e íntimas. Da próxima vez que quiser jogar algo em cima de alguém de tanta raiva, procure escrever sobre isso. Quando quiser chorar, passe para o papel o que está sentindo. Esse também é um ótimo exercício para treinar na hora de passar sentimentos e emoções do seu personagem para o seu leitor de maneira que fique crível e real.

6. A melhor maneira de buscar inspiração é… escrevendo.

Ninguém realmente leva essa dica a sério, mas eu vim a entender que ela é real. E é uma dica muito, muito boa. Quando estamos sem inspiração ou com aquele bloqueio de escritor infernal parece que tudo é mais difícil e complicado na hora de passar nossas ideias para o papel. Mas a melhor maneiras de quebrar um bloqueio criativo é escrevendo. Mesmo que saia ruim. Se você pegar todo dia o seu caderno e escrever uma frase que seja, as coisas já irão melhorar. Resuma seu dia em uma frase. O seus pensamentos. Talvez demore até que você consiga passar tudo o que quer pro papel, mas escrever é assim mesmo. É dar um passo de cada vez. Se seu bloqueio ou sua falta de ideias ou sua falta de inspiração é realmente muito grande revise as outras dicas que dei nesse post ou então busque exercícios de escritas pela internet ou em livros de português. Desde os mais básicos aos mais difíceis. Tente realmente fazê-los. Outra ideia boa é comprar livros que foram feitos para estimular esse lado criativo do escritor: livros como o Wreck this journal, Questions & Answers a day e A Line a Day, são livros que fazem você se comprometer com algo e treinar sem que perceba.

Eu espero que essas dicas tenham ajudado um pouco mais na hora de escrever. Algumas dessas aí em cima já me salvou muitas vezes. Como escritora (amadora) sei como é complicado enfrentar um bloqueio criativo e o quando é chato, mas nada é impossível e até mesmo a falta de inspiração pode ser combatida.

Boa escrita para todos vocês.”

Por Ana Luiza Massena.

Fonte: Quero Mais Pizza.