Em destaque

São Paulo responde por mais de 1/3 do consumo de livros no Brasil

Pesquisa do Ibope Inteligência revela que São Paulo responde por 38% do total de livros comercializados no país. O Estado paulista representa 31% do PIB brasileiro.As classes A e B são responsáveis por 87% dos gastos no Estado (somente a classe B responde por 56%), enquanto a classe C responde por...

Leia mais

A Bookess te dá mais um motivo para revisar o seu livro!

Por bookess | Postado em Sem categoria | em 29-06-2015

0

Julho_alta

A revisão textual é de extrema importância para um livro. Pensando nisso, estamos oferecendo mais uma vantagem aos autores que contratarem o serviço de revisão com a Bookess: ao final da revisão você receberá gratuitamente cinco exemplares impressos do livro revisado!

A promoção é válida apenas até o dia 31/07/15.

Os exemplares serão impressos em preto e branco.

7 dicas para escrever um romance

Por bookess | Postado em Dicas | em 24-06-2015

0

Blog Image

Escrever uma história de amor é fácil, qualquer pessoa pode escrever. O difícil é escrever uma boa história de amor. É aí que as coisas começam a piorar. Mas não se preocupe. Depois das dicas, você verá que não é tão complicado assim.

De início, vamos estabelecer três parâmetros:

Novela da Globo não é uma boa história de amor;

Você tem que ler bons livros;

Você tem que ter sofrido por amor.

Agora que você já está ciente desses três parâmetros, podemos dar continuidade às dicas, torcendo para que você consiga escrever o seu romance o mais rápido — ou da melhor maneira — possível.

1. Utilize histórias reais

Hoje nenhuma história de romance surge do nada. Toda e qualquer história já foi vivida, sentida ou imaginada por nós, portanto, não tente fugir das histórias reais — pois o enredo do seu romance pode partir de uma história pessoal ou de alguma história vivida por um de seus amigos.

Bons romances são aqueles onde a história tem um pé na realidade, ou seja: repleta de sentimentos desejados por muitos e vividos por poucos, e que aconteça de acordo com a realidade. Assim, se você já ouviu ou viveu alguma história romântica — daquelas que têm ou teriam tudo para dar certo — utilize-a para criar a sua história de amor.

2. Conecte-se ao público

Em sua grande maioria, as histórias de amor que fazem grande sucesso são aquelas que mantêm uma relação direta com o público. Portanto, a utilização de uma história real como plano de fundo pode ser a chave para o sucesso.

Outra forma de se conectar é conhecer as histórias romântica disponíveis no mercado, ou seja: leia bons livros de romance. Veja quais histórias estão fazendo sucesso no mercado editorial e analise o porquê do sucesso. Isto é, o que o público mais gostou na história? Foram os personagens? Foi a história? Foram as cenas apresentadas?

3. Escolha um subgênero

Após utilizar as primeiras dicas, você deve, agora, escolher o subgênero do seu romance. Ou seja, será um romance gótico, policial, psicológico ou histórico?

A escolha do subgênero é importante para uma futura publicação. Além de não deixar a história apenas envolta do casal maravilhoso e do amor imbatível deles, o subgênero te dará subterfúgios para a elaboração do romance, dando diretrizes para que você não fuja ao tema principal, mantendo assim uma boa conexão com o público-alvo do seu romance.

4. Personagens críveis

Em qualquer boa história, não só nos romances, os personagens são quem farão o leitor se identificar com a história, pois será através deles que percorreremos todas as linhas até o final da jornada. Assim, saber escolher os personagens e cativar o público é de extrema importância.

Exatamente por este motivo que escolher o subgênero vem em primeiro lugar. Um personagem cativante deve possuir características que digam ao leitor qual é o tipo do romance para que ele possa se identificar e permitir gostar da história.

Lembre-se de que o público feminino se mantém como o maior consumidor de romances até o momento. Portanto, ao escolher os personagens, veja como esse público se comporta com cada tipo de romance. Por exemplo, adolescentes tendem a se identificar mais com rostos bonitos e corpos malhados; mulheres, por outro lado, podem gostar de homens mais bem resolvidos e protetores. Ou seja, cada público tem um perfil ideal, logo, a conexão com ele deve ser feita antes da criação dos personagens.

No entanto, mesmo sabendo o perfil de seu público, a criação não precisa seguir regras rígidas, pois no final o que normalmente será relevante é se há uma química entre o casal. Aquela química que levará o leitor a acreditar no romance, mesmo que seus personagens sejam dois robôs.

5. Escolha o ambiente

Conhecendo o subgênero e o público, o próximo passo é a escolha do ambiente onde o romance acontecerá. Cidades românticas e lugares inusitados podem ser bons ambientes.

Um ambiente favorável com personagens que se enquadram a ele são boas formas de se ter um romance de sucesso. Podemos escolher uma viagem a Paris como o ambiente para o romance. Paris pode não ser o lugar onde a história é desenvolvida, mas o final, onde eles se encontrarão. Por exemplo, tudo pode começar no aeroporto, passando pelo voo de doze horas até chegar a Paris. Ou pode começar numa escola que fará uma viagem a Paris para um congresso. Enfim, a escolha da situação eu deixo a cargo de vocês.

A ideia é que o ambiente e a situação dos personagens fiquem intimamente ligadas ao público escolhido.

6. Tensão romântica

Todo bom romance deve possuir uma tensão romântica, pois erá ela que sustentará o livro, mantendo os leitores ávidos para saber o que irá acontecer nas próximas páginas.

Como estamos escrevendo um romance, nossos personagens, no início da história, podem estar separados. Esta separação pode ter sido causada por eles, por um só ou por ambos, devido a motivos diversos: família, doença, classe social ou mal entendidos.

Enfim, a tensão romântica será estabelecida através dessa separação, portanto, preste muita atenção às histórias que você já ouviu e leu durante toda a sua vida, para que possa criar uma tensão interessante e de tirar o fôlego do leitor.

7. Sobre finais felizes

Não se esqueça: é um romance. Portanto, criar um final feliz é de suma importância — mas talvez nem tanta assim.

Imagine-se como o seu leitor: você gostaria de ver o casal superar tantos problemas para que no final não fiquem juntos? Não.

Agora, pense novamente como autor: você gostaria de deixar o casal separado no final, mesmo depois do casal ter passado por uma série de problemas? Parece um final inesperado, não? Um final GENIAL!

Se você vai colocar um final feliz ou não, isso fica a seu critério. Mas saiba que se você fez tudo para isso dar certo e que merece dar certo, então coloque um final que converse com a sua história; um que combine com a realidade dela. O amor pode sempre dar certo nas histórias, mas saiba que isso não é regra; os personagens podem continuar se amando, mas podem também não conseguir ficar juntos.

Fonte: Folhetim Online