Em destaque

Manual do Selo Boa Escolha

  Você conhece o Selo Boa Escolha da Bookess? Este é um selo especial da Editora Bookess que classifica os livros com qualidade profissional. Os requisitos para que um livro obtenha o Selo Boa Escolha são: uma capa com boa aparência, diagramação alinhada e padronizada e revisão textual profissional. Mas...

Leia mais

Mulheres de todos os tempos

Por bookess | Postado em Novidades | em 18-11-2010

Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

388

Com o advento da escrita, o ser humano passou a se comunicar melhor e logo teve o desejo de escrever o que pensava. E foi através das letras que muitas mulheres puderam se soltar das amarras da sociedade machista, que a considerava apenas como um ser procriador. Nas poesias ou histórias fictícias, as escritoras realizavam seu desejo de sair de casa para viagens fantásticas, cheias de romance, sexo, beijos e malícias, que muitas vezes elas só vinham a conhecer através do casamento, uma vez que eram vistas apenas como supostas mães e donas-de-casa.

Cliqeue abaixo para ver a lista completa das mulheres mais influentes da literatura.

O mistério continua: Agatha Christie e os quebra-cabeças policiais

Por bookess | Postado em Novidades | em 22-09-2010

Tags:, , , , , , , , ,

30

Agatha Christie se descobriu escritora aos 30 anos. Até os 85, colocou no papel histórias que sempre começavam com um crime. E foi a solução surpreendente de cada quebra-cabeça policial que imortalizou a sua obra.

Ela não frequentou a escola por determinação da mãe e estudou em casa. Começou a escrever histórias para se distrair e agradar aos convidados dos pais. A menina cresceu, casou-se e trabalhou como enfermeira durante a Primeira Guerra Mundial. Somente depois disso, em 1920, lançou seu primeiro romance: O Misterioso Caso de Styles. Contando desse jeito, ninguém poderia supor que se trata da “dama do crime”, da “rainha do mistério”, Agatha Christie.

Foi somente aos 30 anos que a escritora de livros de mistério mais famosa do mundo publicou sua primeira obra. Ao longo de sua vida, Agatha fez 66 novelas policiais, 20 peças teatrais, seis romances e mais de 150 contos. Tudo isso rendeu mais de 2 bilhões de exemplares vendidos em todo o mundo. Só perdeu em volume de vendas para Bíblia.
A mestre das histórias de suspense morreu em 1976, aos 85 anos, de causas naturais e em casa. Mas é o nascimento da escritora que os fãs comemoraram, no dia 15 de setembro. Em 2010, Agatha faria 120 anos com muitas histórias de sucesso para contar e uma produção textual quase que industrial – durante 55 anos. Escreveu muito e acredita-se que teria de ter escrito mais de quatro histórias por ano para conseguir publicar tantos livros.

Mesmo depois de morta, a escritora continua  fazendo parte da vida de muita gente, seja numa simples leitura de férias ou porque a pessoa é aficionada por literatura policial. As histórias de Agatha deixaram personagens famosos na literatura, como o belga Hercule Poirot (um detetive que colocava suas “celulazinhas cinzentas do cérebro” para funcionar) e Miss Marple (a idosa que, com boa observação e muita inteligência, resolvia os mais difíceis mistérios).
A casa em que Agatha costumava passar férias, em Devon, na Inglaterra, tornou-se patrimônio do National Trust  e foi restaurada. O lugar, conhecido como Greenway House, é aberto à visitação, foi construído na década de 1950 e contém documentos e livros da família, incluindo pesquisas do segundo marido de Agatha, o arqueólogo Max Mallowan.

O contínuo sucesso da escritora tem explicação. O professor de literatura Fábio Messa afirma que, depois de Edgar Allan Poe, Agatha Christie foi a responsável por inaugurar o gênero policial britânico e inovar os parâmetros já existentes. Nos romances dela, a cena do assassinato em si, os sentimentos pelo crime não são apresentados. Ao ler o livro, o leitor se depara com uma cena de morte/ desaparecimento pronta a ser investigada e, com isso, tem um quebra-cabeça para resolver.

– Um enigma a ser decifrado, omitindo a identidade do assassino, desenvolvendo personagens detetives que se encarregavam de coletar depoimentos dos suspeitos para, geralmente, apresentarem uma ‘‘solução’’ surpreendente sobre os casos, apontando como culpado aquele personagem que, em princípio, encontrava-se fora de qualquer suspeita. Essa era a fórmula do romance policial britânico – ensina Messa.

Na opinião de Messa, o fascínio exercido pelos livros de Agatha se deve à construção do texto com elementos essenciais que atraem leitores iniciantes. São narrativas com todos os ingredientes para atrair a atenção de um leitor em formação, comenta.

Fonte: http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default2.jsp?uf=2&local=18&source=a3043980.xml&template=3898.dwt&edition=15521&section=1323