Em destaque

Free: o futuro dos preços é ser grátis

O mundo dos negócios vive de ondas, ondas que passam rápido, ditam tendências, rendem alguns milhares ao seu criador e depois se vão. Não que sejam ondas artificiais, na verdade a velocidade da alternância dessas ondas apenas reflete a velocidade do mundo moderno. E hoje quem está na crista da...

Leia mais

BOOKESS É COMPRADA PELO GRUPO LIVREIRO E EDITORIAL SBS

Por bookess | Postado em Entrevistas | em 13-09-2016

Tags:, ,

0

Celso Fonseca é agora o sócio-diretor da Bookess | © Leonor Calasans

Celso Fonseca é agora o sócio-diretor da Bookess | © Leonor Calasans

PUBLISHNEWS, LEONARDO NETO, 13/09/2016

Fundada em 2009, a Bookess foi pioneira na autopublicação no Brasil. A plataforma – que hoje reúne 22 mil títulos disponíveis para vendas tanto no digital quanto no impresso, via impressão por demanda, e 40 mil clientes cadastrados – acaba de ser comprada pela SBS. Não é a primeira vez que as duas empresas se aproximam. Em 2013, criaram uma joint-venture cuja meta era a internacionalização da plataforma, principalmente para os mercados da América Latina. A previsão inicial era que o piloto durasse cerca de um ano e meio e que, depois disso, aconteceria a fusão das duas empresas. A parceria acabou não levantando voo e a fusão foi deixada de lado e só agora retomada. A compra foi feita pela Hub, a editora da holding SBS que agora detém 49% das ações da Bookess. Os outros 51% foram comprados por Celso Fonseca, que passa a responder pelas operações da Bookess.

“Há uma ideia de ter um foco mais no profissional e no educacional que tem a ver com o histórico da SBS. Há bons livros na Bookess tanto na área de educação geral, quanto na área de educação universitária”, disse Celso ao PublishNews.

Com a compra, Celso espera que os autores da Bookess ganhem uma nova vitrine para seus livros. “Acreditamos que os autores de livros nesses segmentos ganhem mais visibilidade se associando a uma empresa que tem uma forte tradição no relacionamento com professores e educadores”, completou. No entanto, Celso adianta que autores de outros segmentos poderão continuar publicando livros pela plataforma. Isso não altera.

Como planos futuros, Celso pensa em levar livros publicados originalmente pela plataforma a casas editoriais tradicionais. Para isso, prevê coedições tanto pela própria Hub, quanto por outras editoras que poderão se tornar parceiras da plataforma. “Essa é uma forma que encontramos para dar mais visibilidade a esse conjunto de autores que já publicam pela Bookess”, comentou Celso.

Celso prevê ainda retomar o projeto de internacionalização da plataforma iniciado em 2013. A plataforma hoje já está traduzida para o inglês e para o espanhol, com uma versão inclusive para o espanhol falado no Peru, onde a SBS já mantém operações. “Estamos procurando parceiros internacionais que queiram fazer intercâmbio de autores. Na Bookess já tem autores que publicam livros em outros idiomas, o que facilita esse processo”, disse.

A distribuição digital dos e-books publicados pela Bookess já é feita diretamente nas principais livrarias do ramo como iBookStore, Amazon, Saraiva, Cultura e Travessa. A remuneração ao autor varia de 50 a 60% do valor do livro, de acordo com a livraria.

O livro impresso é vendido apenas pela plataforma, mas, Celso adianta que pensa em modelos em que autores poderão vender seus livros em lojas físicas (só a SBS hoje tem 40 unidades espalhadas pelo Brasil). “Como a SBS tem um canal aberto com livrarias físicas, vamos pensar em como os autores poderão interagir com essa rede. Um exemplo, seria a venda de livros físicos em eventos de lançamentos. Isso é muito importante para autores que estão fora do eixo Rio – São Paulo”, exemplificou.

Fonte www.publishnews.com.br

Como introduzir o seu livro auto-publicado no mercado literário

Por bookess | Postado em Dicas | em 24-05-2016

Tags:, , ,

0

O texto abaixo foi reproduzido do site Dito pelo Maldito

 

A maioria das dicas espalhadas pelos blogs e sites que prometem a venda do seu livro ao grande público em apenas alguns passos fáceis, são tão funcionais quanto uma repartição pública. Não que elas sejam má intencionadas ou mesmo falsas, longe disso. É apenas porque não existe uma fórmula mágica para gerar vendas instantâneas para a sua obra. Você até pode alcançar o tão sonhado sucesso, no entanto, é você que vai definir a grau dessa vitória. Afinal, o ‘auto’ do termo ‘auto-publicação’ significa justamente que VOCÊ está no comando das rédeas deste projeto.

livro auto publicado no mercado

A divulgação do seu livro auto-publicado envolve muito trabalho, pra começar, tanto trabalho quanto o que você teve para escrever o próprio livro. E o pior de tudo, não há garantia alguma de que gere os resultados desejados, mas ainda assim, sem o marketing da sua obra, ninguém alem da sua família e seus amigos conheceriam o seu livro.

A boa notícia, se você já não desistiu de tudo ao ler este texto até aqui (e eu espero que não), é que a melhor pessoa para comercializar o seu livro é um velho conhecido seu,… VOCÊ MESMO. Quem melhor para dissertar sobre o livro de dentro pra fora?! Você conhece toda a sua história e, melhor ainda, o seu público alvo.
Eu sempre procuro pensar no marketing de um livro como uma espécie de experimento cientifico. Sob o velho princípio de tentar algo que pode ou não funcionar, e se funcionar, ótimo! Mas se isso não acontecer, então o melhor é voltar a velha prancheta e tentar tudo de novo de forma diferente.
Cada autor independente que entra em contato querendo anunciar seu livro aqui no blog, eu tento sugerir pelo menos um punhado de idéias diferentes visando alcançar as pessoas certas. E fico feliz quando vejo as ações gerando retorno para cada um deles.

Foque seu plano de marketing em seus objetivos

A maneira como você comercializa o seu livro deve ser baseada em duas coisas: os seus valores e os objetivos que planeja para a sua obra.
Os objetivos do seu livro podem ser qualquer coisa – Credibilidade e status perante o mercado, popularidade entre leitores de determinado gênero, a construção de uma marca, educar o público com um novo ponto de vista sobre um assunto em pauta na atualidade, etc… Seu livro, seus objetivos. Embora pareça meio estranho já que qualquer um pode escrever e publicar um livro hoje em dia, este ainda é um forte sinal de que você é (ou deveria ser) um especialista no assunto que decidiu abordar.
Se a sua intenção é vender um milhão de cópias ou ficar na lista de best-sellers da Veja, que seria o ápice para qualquer autor, já é algo que foge totalmente ao seu controle. O mais sensato é que você não embarque nessa com esse tipo de coisa encrustada na mente, ou pode ficar seriamente frustrado. Apenas alguns poucos livros alcançam este patamar, e você não precisa de tanto para construir a sua credibilidade como autor ou ficar feliz com o seu trabalho. Todo esse processo é uma guerra de atritos, experimentos, falhas, aprendizagem, e muito tempo gasto com divulgação e exposição da sua publicação.
Também é importante que seus objetivos coincidam com o conteúdo e a mensagem do seu livro. Por exemplo, se o seu livro é sobre um tema demasiado específico, que se refere a um determinado grupo de pessoas, é provável que ele nunca se torne um best-seller, mas pode virar um fenômeno dentro de um determinado ciclo social. E hoje em dia são tantos.

Os leitores são eles, não você

Uma vez que você tenha determinado os seus objetivos, passe-os ao seu público. Quem são eles? Com o que eles se importam? Onde que eles atualmente procuram por este tipo de informação?
Se você não sabe quem é seu público, considere isto:

  1. Por que você escreveu o livro?
  2. O que você quer passar para quem o ler?
  3. Por que as pessoas se motivariam a conhecer mais sobre o seu livro?

A partir daí, pense sobre os motivos em comum que levariam as pessoas a ir de encontro a sua preciosa obra.
Uma audiência que tente atingir ‘TODO MUNDO’, é grande demais para se entender ou se conectar. Onde é que ‘todos’ procuram informação? Não há uma única fonte especifica. O que motiva a ‘todos’ a se interessar por um livro? Nunca haverá apenas um interesse envolvido.
Comece com a seguinte ideia… ‘TODOS’, definitivamente, não é o seu público. Seu público é formado por um conjunto específico de pessoas com motivações e valores específicos. Eles são bem mais fáceis de alcançar e se conectar do que com ‘todos’.
Tenho certeza que provavelmente você possui um público impressionante na internet, mas ainda assim eles precisam ser informados previamente onde encontrar o que procuram, como eles vão se beneficiar desse conhecimento e como podem aplicar esse conhecimento para melhorar suas vidas. Se eles estão dispostos a investir tempo e dinheiro em seu livro, no mínimo precisam ter a certeza de que vai valer a pena. E os livros independentes são os que mais precisam de um grande investimento por parte de alguém.

Por favor

Saiba onde encontrar o seu público

Uma vez que você tenha determinado qual o seu público e o que os motiva, está na hora de ir até eles. Onde você pode encontrar esses futuros leitores? Quais blogs, podcasts, sites, publicações, meios de comunicação, influenciadores e formadores de opinião que eles acompanham?
Faça uma lista incluindo os contatos de cada uma dessas fontes. Seus nomes e perfis nas mídias sociais. Comece a segui-los e interaja com eles de forma que possa criar um vínculo com a sua obra. Se é um site que faz entrevistas, peça para ser entrevistado. Se é um podcast, peça para ser um dos convidados. Se é um blog que aceita divulgar autores independentes, informe-se do que precisa para ver o seu livro citado na página.

Não são muitos os que estarão dispostos a disponibilizar todos os contatos de seus perfis sociais cativados ao longo de muitos anos, só para promover o seu livro por nada mais que um exemplar e a pura bondade de seus corações. Mas para burlar este problema, hoje a literatura já conta com excelentes canais de divulgação totalmente voltados para as suas necessidades publicitárias, os ditos blogs literários e da cultura pop em geral. Sem espaço adequado nas mídias convencionais de rádio e TV, foi só com a popularização da internet que a literatura finalmente encontrou as ferramentas ideais para o proliferação do seu marketing. Embora muitas editoras ainda tentem encobrir o fato com a peneira na esperança de ainda sugar o que resta da fatia gratuita desta mídia, a verdade é que com o tempo os blogs e sites literários estão se profissionalizando cada vez mais, e preferindo vender os seus espaços publicitários para autores auto-publicados, ao invés de simplesmente trocá-los por livros com as editoras. Novamente, conhecer a identidade do seu público é a forma mais eficaz de calcular os riscos e saber onde investir esta cota de publicidade.
Espero que essa conversa franca tenha ao menos clareado as suas ideias sobre o assunto. Se tiver alguma experiencia envolvendo a questão, seja ela positiva ou negativa, por favor, não se furte em dividi-la conosco em nosso espaço de comentários.
Em uma próxima oportunidade pretendo abordar com mais detalhes as principais características de divulgação dessas ferramentas da internet. Até lá!

 

Para ler mais textos como esse, acesse: http://www.ditopelomaldito.com

A Bookess e a ciberliteratura

Por bookess | Postado em Novidades | em 25-09-2010

Tags:, , , , , , , , ,

35

As novas tecnologias digitais têm embaçado a discussão sobre o futuro da literatura. Confunde-se o destino do gênero com o dos livros impressos. Tal abordagem centra o foco nos suportes (no caso, os e-readers), envolvendo opiniões proféticas e geralmente apocalípticas sobre o fim dos livros impressos. Muito além deste debate, porém, a chamada ciberliteratura, ou literatura eletrônica, concebida para os meios digitais, e cuja existência não pode prescindir deles, vem ganhando vida própria. Das várias questões que essa nova forma criativa levanta, o suporte talvez seja a mais irrelevante. A autoria, por outro lado, é uma das principais.

O que diferencia a ciberliteratura da literatura convencional não é o meio em que é publicada, como o computador e os e-readers. A singularidade das obras do gênero reside no fato de terem sido especificamente criadas para o formato digital, explorando todas as suas funcionalidades. Por isso, estão excluídas desse conceito obras originalmente criadas para o suporte impresso e que foram e vêm sendo publicadas por jovens autores na internet ou digitalizadas para serem vendidas em lojas virtuais de e-books. As obras da chamada ciberliteratura se valem de recursos que o impresso não comporta, como áudio, vídeo e programação, entre outros campos com os quais esse gênero interage. Portanto, não se trata de uma nova tecnologia de leitura. A ciberliteratura traz uma nova forma de narrar. E, entre as questões que embaralha, está a do papel do autor.

Na ficção interativa, por exemplo, um dos gêneros da ciberliteratura em que o público pode escolher caminhos diversos para o desenrolar das histórias, quem poderá ser chamado de autor? Esse privilégio continuará nas mãos dos escritores? Podemos considerar que a participação de amadores nas produções literárias cria obras coletivas ou eles apenas participam de um jogo com regras pré-definidas por seus autores?

Ao que tudo indica, o escritor atravessa uma crise de identidade a partir do momento em que seu poder é posto em xeque pelas possibilidades trazidas pelas novas tecnologias. Diante das ferramentas interativas que permitem a participação do público, críticos, estudiosos e os próprios escritores oscilam entre a perplexidade, o pessimismo e a confiança, como mostram especialistas ouvidos nesta reportagem.

Leia mais em: http://polodeculturadigital.blogspot.com/2010/09/nos-no-globo.html

Língua portuguesa, a flor do Lácio

Por bookess | Postado em Dicas | em 25-09-2010

Tags:, , , , , , , , ,

2

Quem nunca reclamou ou ouviu alguém reclamar que a Língua Portuguesa é difícil, que não consegue aprender, são muitas regras… Mas, por que é tão difícil dominar o Português? Para alguns especialistas é a proximidade com a Língua Portuguesa que não nos deixa perceber os detalhes dela, as minúcias, as ‘pegadinhas’. Que é o que geralmente cai no vestibular. O TN Vestibular pesquisou algumas regrinhas da Língua Portuguesa para ajudar os vestibulandos a se dar bem na hora da prova.

Ortografia, cujo significado é escrever direito, é um dos assuntos mais temidos pelos jovens estudantes em virtude do número de regras existentes. É difícil memorizar a todas, pois não leem muito e nem possuem o hábito de escrever. Dois dos principais segredos para aprender a escrever as palavras adequadamente.

Quem tem o hábito de realizar boas leituras e de escrever, ao menos um texto por semana, aprende com mais facilidade a arte de escrever corretamente. E se aliar a isso consultas constantes a dicionários de boa qualidade, fica bem melhor

A intenção é apresentar algumas dicas que ajudam a memorizar regras de ortografia. Como o uso do Ç, do acento grave, entre outros.

Veja abaixo algumas regras importantes.

Livros digitais para crianças

Por bookess | Postado em Novidades | em 25-09-2010

Tags:, , , , , , , , ,

33

Imagine a cena: uma criança pede para que os pais leiam um livro para ela dormir, mas não é um livro de papel, é um livro eletrônico. Um livro que lhe permite, por exemplo, fazer cócegas num personagem, testar o próprio recorde na rapidez da leitura, ou completar um labirinto.

Os editores estão cada vez mais se utilizando das inúmeras aplicações dos softwares especiais para livros infantis digitais. Eles estão se especializando nos cuidados com fotos, cores, vídeos, telas sensíveis ao toque e interatividade.
O lançamento de vários livros digitais  só vêm  mostrar  o quão rapidamente o cenário das publicações digitais voltadas ao mercado infantil está mudando. Enquanto romances e outros livros, que dependem apenas de texto podem ser vendidos facilmente no padrão e-book, os livros infantis de imagens são bem mais complexos de serem feitos.

O mercado literário infantil veio abrir um mundo de possibilidades ilimitadas. Livros infantis precisam de funcionalidade, algo comum em aplicações de jogos e filmes.

Leia mais: http://online.wsj.com/article/SB10001424052748704285104575491863029792640.html

Livro é devolvido com mais de 30 anos de atraso nos EUA

Por bookess | Postado em Novidades | em 24-09-2010

Tags:, , , , , , , , ,

46

Um livro foi devolvido 35 anos após ter sido alugado em uma biblioteca em Winona, Minnesota (EUA).

De acordo com o jornal Winona Daily News, a biblioteca não fez questão da multa devido o atrasado, estimando que se fosse cobrá-la ultrapassaria os US$ 1.400.

A causa do atraso não foi divulgada, e o leitor que demorou tanto para devolver o livro é desconhecido.

O livro não é nenhum clássico, é uma coleção de diários e cadernos infantis chamada Small Voices.

Fonte: http://www.plugando.com.br/livro-e-devolvido-com-mais-de-30-anos-de-atraso-nos-estado-unidos/

O que as pessoas estão lendo e o que elas procuram?

Por bookess | Postado em Novidades | em 24-09-2010

Tags:, , , , , , , , , , , , , ,

45

Uma notícia é diferente de uma informação. Um fato ou um acontecimento pode ser interpretado de várias formas. Uma notícia depende do que se vê ou de que se ouve. Portanto, é uma verdade questionável. A informação é baseada em dados, como uma bula de remédios. Já um livro é uma ideia que deve ser interpretada, e que traz informações nas entrelinhas.

E diz a sabedoria popular que “Deus escreve certo por linhas tortas”. Quem lê um livro, lê de forma diferente do outro que lê o mesmo livro.

Portanto a leitura completa de uma obra não é igual a leitura de uma manchete de jornal, ou de 140 caracteres que se lê na Internet.

Dentre os livros mais vendidos, uma parte das pessoas buscam entretenimento através da ficção. Outra parte busca conhecimento através da não-ficção. E a maioria busca auto-ajuda e espiritualidade.

Segundo pesquisa divulgada na Wikipédia, os livros mais vendidos de todos os tempos são:
1 – Bíblia Sagrada: 5,6 bilhões de cópias;
2 – Citações do Comandante Mao Tsé-Tung: 900 milhões de cópias;
3 – Corão: 600-800 milhões de cópias;
4 – Dicionário Xinhua Zidian: 400 milhões de cópias;
5 – O Senhor dos Anéis: 150 milhões de cópias;
6 – Harry Potter e a Pedra Filosofal: 120 milhões de cópia;
7 – Livro de Mórmon: 120 milhões de cópia;
8 – O caso dos Dez Negrinhos: 100-110 milhões de cópias;
9 – Dicionário Webster da Língua Inglesa: 100 milhões de cópias;
10-Livro Guiness dos Recordes: 94-100 milhões de cópias.

A leitura de um e-book é muito diferente de um livro comum, em papel que você pode pegar nas mãos? Que livro você está lendo? Qual o último livro que você leu que acrescentou conhecimento e que você conseguiu colocar em prática? Conte-nos sobre o que você leu e gostaria que as pessoas soubessem. Compartilhe conhecimento antes que ele vire pó!

Fonte: http://www.dihitt.com.br/barra/o-hospital-dos-livros

Direito e Literatura

Por bookess | Postado em Novidades | em 23-09-2010

Tags:, , , , , , , , , , ,

0

Já estão disponíveis para serem assistidas na íntegra pelo Youtube as reportagens do programa Justiça em Questão? Sobre direito e literatura. O programa é exibido semanalmente em rede nacional pela TV Justiça (Canal 7 da Net, Canal 6 da OiTV ou Canal 117 da Sky) e para a região metropolitana de BH, na TV Horizonte (Canal 19 UHF) e na TV Comunitária (Canal 6 da Net ou Canal 13 da OiTV).

Na reportagem de Marcelo Almeida, especialistas analisam os limites na construção de um livro biográfico e destacam o que a legislação diz a respeito. Se um escritor fizer uma obra sobre a vida de uma pessoa pública, o argumento da invasão de privacidade pode ser considerado para proibir a publicação do livro? Isso aconteceu com a obra sobre a vida do cantor Roberto Carlos. Para alguns, a biografia é um patrimônio pessoal? O repórter entrevistou escritores, entre eles Ruy Castro e Paulo César Araújo. A reportagem trata também do projeto de lei sobre biografias em tramitação no Congresso.

Já na reportagem de Fernanda Miguez, o assunto é o mercado editorial para livros que contam histórias de crimes com grande repercussão na mídia e o interesse do público por essas publicações. A equipe viajou até São Paulo para entrevistar a escritora Ilana Casoy, autora de diversas obras sobre casos de Justiça, como o assassinato do casal Richthofen e o júri dos acusados pela morte de Isabella Nardoni.

A relação entre direito e literatura, dos livros de papel para os digitais. É a análise proposta pela reportagem de Eduardo Klein. Novos aparelhos têm chegado ao mercado para concorrer com o tradicional livro de papel. Mas poucos sabem que esse avanço tecnológico pode colocar em risco a propriedade do livro comprado. Você confere o que são os e-books e como a Justiça pode atuar na era da literatura digital.

O programa Justiça em Questão é produzido há cinco anos pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Os telespectadorehttp://www.direito2.com.br/tjmg/2010/set/18/veja-programa-sobre-direito-e-literaturas podem enviar críticas e sugestões pelo e-mail: justicaemquestao@tjmg.jus.br

Fonte: http://www.direito2.com.br/tjmg/2010/set/18/veja-programa-sobre-direito-e-literatura

Livros que fazem a cabeça dos presidenciáveis

Por bookess | Postado em Novidades | em 23-09-2010

Tags:, , , , , , , , , ,

38

O que há em comum entre o russo Fiódor Dostoiévski e o mineiro Guimarães Rosa? A resposta: Dilma Rousseff, José Serra e Plínio de Arruda Sampaio. Os dois escritores são obras de referência para três dos quatro principais candidatos à Presidência da República ouvidos pelo GLOBO. Já Marina Silva fala de leituras mais direcionadas, em sua maioria livros a que foi apresentada na Faculdade de História (Clique aqui para ler os comentários de cada candidato sobre suas leituras).

A coincidência das citações ao autor de “Grande sertão: veredas”, clássico da literatura brasileira quase obrigatório nas leituras de escola, não é fortuita neste momento eleitoral, avalia o cientista político da Universidade de Brasília (UnB), Leonardo Barreto:

— É um livro de grande identidade nacional. Mostra a cara do Brasil, o sertão, cria novas palavras, uma nova linguagem.

Além das leituras fundamentais para..

Da internet para as livrarias

Por bookess | Postado em Comunicados | em 23-09-2010

Tags:, , , , , , , , , ,

45

A Bookess, sempre buscando inovar a maneira de escrever, produzir, editar e publicar livros digitais vem lhe convidar a participar de um grande lançamento, em conjunto com outros autores da sua região.
Estamos começando pelo Rio de Janeiro.

Faremos um lançamento de 3 autores – residentes no RJ – de obras da Bookess na Livraria Travessa. Os autores interessados em participar desta grande festa de lançamento, no Rio de Janeiro, deverão entrar em contato através do e-mail:
contact@bookess.com

Em conjunto com a Bookess, caberá aos 3 escritores selecionados fazer uma ampla divulgação entre conhecidos do evento de lançamento, que contará inclusive com cobertura da imprensa. Será um prazer conhecermos você pessoalmente!

Lembre-se de que a Bookess é do Autor e para o Autor.

Contamos com você!

Equipe Bookess