• Autor(es): Talis Andrade
  • Visualizações: 3432
  • ISBN: 9788577166091
  • Revisão 1
  • Publicado: 21/09/2011
  • Atualizado: 18/02/2014
  • Situação: Completo
  • Páginas: 204
  • Categoria: Poesias e Poemas
  • Licença:
  •   1 consideram favorito
  •   0 Já leram
  •   0 estão lendo
  •   0 estão relendo
  •   3 Pretendem ler
  •   0 possuem um
  •   0 desejam ganhar
 

O Enforcado da Rainha

Compartilhar

Sinopse

Um raro e excelente livro de poesias que narra os movimentos libertários do Brasil, inclusive abordando temas como a ditadura militar de 1964, a tortura, as reivindicações do povo, e os costumes, nos tomos: O Enforcado da Rainha,Trajos do Medo, A Sinistra Mão, Santa Inquisição, Romance do Retornado, e Esconsos.

Escreve José de Souza Castro: “Os poemas de Talis Andrade são enxutos de palavras. Apesar disso, ou talvez por isso, vão tecendo uma sucessão infindável de pequenos recortes que formam um painel magnífico de nossa história de esperanças sempre frustradas. Talis termina o livro afirmando, equivocadamente, que `a quieta safra de poetas/ não possui fôlego/ para um poema épico’. Afinal, O Enforcado da Rainha é um poema épico”.

Para Adriano Massena: “Entre a dor e o poeta reside a poesia, entre Talis e a vida existe o amor por uma leveza que se aprisiona ao vento. Talis quebra tabus grudados em poetas”.

Últimos comentários (registre-se para comentar)

disse
Nenhum comentário cadastrado.
1 no totalComentários anteriores  

mostrar todasÚltima Resenha

Na carta CARTA PRE-É-FÁ-CIO do livro Enforcado da Rainha, afirma o escritor Adriano Marcena:
?A flor do sexo/ a lascívia/ a amante entrando quarto a dentro dos antigos olhos/ a faca fria/ a bala quente/ a ronda dos ricos/ a mulher que tropeça pela casa/ os gritos que não nos deixam em paz/ a profana recordação/ o enforcado da rainha preso à teia da ilusão?? Talis quebra tabus grudados em poetas. De sua pena contemporânea desnuda-se, diante de nossas retinas, o próprio enforcado: suas artérias expostas à brisa consoladora, suas vísceras se decompõem, se reciclam em água humana, mas por trás do enforcado resiste e triunfa o poeta vivo, o poeta nu, o poeta do pó das letras, o poeta da dor sincera que finge existir, o poeta tentando encontrar o tinteiro e o mata-borrão para se defender, atemorizado, da leveza delicada da filha mais jovem do vento que lhe excita em pleno sol do meio-dia. Todo grande poeta tem medo do vento. Talis, é bom saber que você só está enforcado no livro. Sobre algum mangue soterrado, parabenizo pelo livro, poeta!
Talis  Andrade Talis Andrade
em 6/10/2011 às 16:35h

escrito por
Sinopse

...

 Versão Mobile
ou  
Veja mais em